As quatro capacidades para se amar e poder amar alguém

As quatro capacidades para se amar e poder amar alguém

Ouvimos a vida toda “Você tem que se amar”, mas isso não fica muito claro para a maioria, e muitos de nós não sabem efetivamente como fazê-lo.

Muitos dizem “Cuide-se”. Mas isso é se amar?

A meu ver existem dois modos de se cuidar:

1) Prazer: Fazer o que nos dá prazer, como um bom banho de banheira, massagem, ir ao cabeleireiro, etc.;

2) Disciplina: Ter disciplina, como fazer ginástica, comer alimentos nutritivos e ter uma vida saudável.

Temos que entender que estas necessidades precisam ser cumpridas para que possamos nos equilibrar. Mas se isto é se cuidar o que podemos chamar de Se Amar?

Se amar é construir uma relação equilibrada e saudável com você mesmo para poder estabelecer uma relação com as mesmas características com a pessoa amada.

Existem quatro fundamentos que precisamos considerar para que possamos construir esta relação conosco:

1) Pensar como nossos atos refletem em nosso relacionamento
É preciso se conhecer claramente, adquirir uma profunda humildade e ter a vontade de se tornar uma pessoa melhor a cada dia. O maior destruidor de relacionamento, capaz de separar casais, não é a diferença de idade, de nível social ou intelectual. Mas, entre as várias diferenças existentes, o maior vilão é culpar o outro pelas falhas no relacionamento. Para evitar que isso aconteça, temos que olhar para nós mesmos em primeiro lugar e ver se estamos dispostos a investir no que for necessário para que melhoremos nossa relação com o outro. É importante querer ser uma pessoa melhor todos os dias.

2) Ter a capacidade de ter a sua atenção em você para identificar e entender seus próprios sentimentos
Compreendendo o que sentimos podemos nos responsabilizar em mostrar para o parceiro (a) o que precisamos. Erroneamente a maioria de nós pensa que é um ato egoísta estar conectado e atento a si próprio em primeiro lugar. Estar ligado em você só facilitará sua relação com o outro, que não precisará ter “uma bola de cristal” para poder ler seus pensamentos e poderá ajudá-lo a suprir suas necessidades ou mesmo compreendê-lo.  É fundamental se conhecer profundamente

3) Autonomia e comunhão
É preciso focar sua atenção para as diferenças entre você e a outra pessoa. Saber até onde vai sua autonomia e onde começa a do outro. Entender os limites da relação e saber colocar suas barreiras para depois não se sentir desrespeitado ou achar que o outro ultrapassou seus limites. Você e a relação.

4) Não ter medo
Não deixe que a presença do medo seja um empecilho para você dizer claramente sua verdade e o que pensa.  Ser autêntico e ter uma relação clara e equânime, não deixando que exista o desequilíbrio entre dar e receber. Legitimidade.

É necessário saber administrar sua autonomia e querer estar em comunhão, pois sozinhos não conseguimos ter um relacionamento.

Se voltar atrás e revir os quatro princípios perceberá que tudo parte de você. Se houver autoanálise, autoconhecimento, respeito por si próprio e autenticidade, você não se preocupará em culpar o outro por suas diferenças, por falta de cuidados e por ter sido desrespeitado. Você se responsabilizará por você em primeiro lugar, fazendo com que isto reflita na construção de uma relação equilibrada, saudável e prazerosa.

Aí fica mais fácil entender o conceito de “Se amar”, sabendo que se não aprendermos a fazê-lo não conseguiremos que ninguém o faça em nosso lugar.

Tenha uma ótima semana!

 

Você também pode gostar

Deixe um Comentário

Devido ao grande número de comentários recebidos nas postagens, criei o SOS RELACIONAMENTOS para poder lhe ajudar da melhor forma, saiba mais e tenha sua dúvida respondida clicando aqui.