Por que sentimos ciúmes?

Por que sentimos ciúmes?

Ciúme é um problema muito comum nos relacionamentos, mas por que sentimos ciúmes?

O ciúme envolve pensar que você perderá algum afeto ou segurança do seu parceiro por causa de alguém ou de alguma outra coisa. Ou seja, o interesse em uma atividade que leva tempo longe do cônjuge, pode ser também, motivo de ciúme.

O ciúme inflama o medo da perda e da rejeição. Ele destaca sentimentos de inferioridade, sinal de que uma pessoa se sente ameaçada.

Afinal, por que esse sentimento se faz tão presente nos relacionamentos?

 

Por que sentimos ciúmes?

A resposta sobre por que sentimos ciúmes está relacionada a maneira como lidamos com nós mesmos.

O ciúme tem raízes profundas. Muitas vezes na confiabilidade, ou falta dela, na atenção e afeto dos pais no início da vida.

Às vezes, experiências reais posteriores de perda ou rejeição de alguém querido também

podem gerar insegurança duradoura nos relacionamentos e minar a capacidade de confiança.

A falta de confiança gera um medo imensurável em relação ao outro.

E o grande problema, é que o medo dificulta a interpretação das situações. Muitas vezes episódios sociais inocentes são compreendidos como uma traição e despertam sentimento de ciúme e abandono.

O ciúme é um motivo de imensa potência.

Embora muitas vezes não estejamos conscientes de que estamos com ciúmes de alguém, às vezes as razões reais do ciúme estão enterradas em nosso inconsciente e disfarçadas por racionalizações.

Ou seja, o ciúme é apenas uma reação de sentimentos obscuros ainda mais profundos.

 

Quais são os motivos dos ciúmes?

Insegurança

A insegurança é a fonte mais comum de ciúmes. As pessoas geralmente lançam o termo “complexo de inferioridade”, para definir as pessoas que possuem baixa-autoestima.

Um homem ciumento em seus relacionamentos, por exemplo, não se sente confiante, nem sequer bom e valioso o suficiente para manter outra pessoa interessada nele ao longo do tempo.

A maioria de nós sente insegurança no relacionamento de vez em quando.

Mas para alguns, é uma condição “crônica” que nunca desaparece. A insegurança em um relacionamento nos impede de falar nossa verdade. Além do mais, esse sentimento nos afasta da genuinidade e honestidade com nosso parceiro e com nós mesmos. Já que, inseguros é difícil  expressar o que realmente precisamos e queremos.

Quando não confiamos no relacionamento, controlamos e construímos nosso coração, para nos proteger daquilo que tememos. Como resultado, o relacionamento em si nunca pode florescer completamente.

Quando a insegurança está presente, vivemos e nos relacionamos com o medo. Esse é um dos motivos de por que sentimos ciúmes.

Permaneçamos convencidos de que não somos o que nosso parceiro realmente deseja e, muitas vezes, gastamos nossa energia acumulando evidências de apoio para nossa crença de que seremos descartados.

Nunca podemos realmente nos estabelecer no relacionamento e nos permitir ser quem somos. Pois, não nos sentimos seguros para nos deixarmos ver verdadeiramente.  

 

Comparação

A comparação é também um dos motivos de por que sentimos ciúmes.

Nós comparamos, porque não sabemos onde realmente estamos na comunidade. Se eu realmente sei quem eu sou, não preciso saber o valor de outras pessoas para que eu me sinta bem comigo mesmo.

Da mesma maneira que a minha camisa é vermelha, a cor não vai mudar porque a camisa de outra pessoa é verde. Vai ser vermelho, independentemente disso.

No entanto, se não tivermos certeza de quem somos, só podemos comparar para descobrir se somos relativamente melhores, ou não, do que as outras pessoas. A grande questão da comparação é que, o status de melhor ou pior muda constantemente. E as certezas nunca são para sempre.

Ao experimentar sentimentos de ciúme, podemos supor que a outra pessoa está recebendo a atenção, o amor ou a admiração por um outro alguém.

O ciclo de comparação com o outro gera uma sobrecarga de incertezas. Sobre si mesmo, sobre o parceiro e principalmente sobre o futuro do relacionamento. E mais uma vez, a consequência da comparação será o medo da perda, expresso pelo ciúme.  

 

Ciúmes como instrumento para estabilidade da identidade

Não é por que sentimos ciúmes, que precisamos conviver com esse sentimento. Toda reação negativa que temos, é indício de que algo não está bem.

É assim com as dores que você sente no corpo e é assim também com os sentimentos ruins. 

Do mesmo modo como o remédio para a sua dor de garganta só faz efeito se você tomar, os sentimentos de angústia, inveja, ciúme e tantos outros, só deixam de habitar sua mente quando você se compromete com a cura.  

Em vez de usar ciúmes para espalhar energia negativa, é possível usá-lo para entender a nós mesmos. As emoções nos mostram em que somos fortes e fracos.

O ciúme revela a fraqueza de nossa identidade. Ter uma forte e sólida sensação de quem você é, dissipa o ciúme, porque sua identidade não depende de mais ninguém. Ninguém tem influência sobre o seu valor de si mesmo.

Nenhum evento pode mudar a maneira como você se vê, então não há necessidade intrínseca de se comparar com ninguém ou sentir insegurança.

Se você está em um relacionamento de longa data, pode ser que algumas atitudes despertam ciúme em você.

Há quem diga que o ciúme é um tempero para o relacionamento. No entanto essa constância pode ser apenas uma demonstração de que você precisa se conhecer mais, elevar sua auto estima e estar inteiro na relação.

Você também pode gostar

Deixe um Comentário

Devido ao grande número de comentários recebidos nas postagens, criei o SOS RELACIONAMENTOS para poder lhe ajudar da melhor forma, saiba mais e tenha sua dúvida respondida clicando aqui.